Ginecologia Natural e absorventes de tecido

Por Gailesh

Você usa absorventes de tecido, coletor menstrual ou os mais comuns absorventes descartáveis? Como você entrega seu sangue para a Terra? Não é possível falar sobre Ginecologia Natural sem questionar a forma como derramamos nosso sangue na terra. Apesar de parecer estranho para muitas mulheres, o absorvente de tecido traz liberdade, transformação e um contato mais profundo e íntimo da mulher consigo mesma. 

A palavra ginecologia tem sua origem no grego, e poderíamos traduzir seu significado como o “estudo da mulher”. Seu significado literal seria a ciência da mulher, dessa forma, o termo simboliza a ciência natural da mulher. O estudo da mulher em sua naturalidade e, da mesma forma, traduzindo para a prática, é a ciência que estuda formas naturais para cuidar da mulher. 

Ações e transformações regenerativas

Quem se aprofunda nesse tema, reconhece que a Ginecologia Natural gera transformações sociais, culturais, comportamentais e ambientais. Estamos falando aqui de saúde e também de revolução feminina, cujas consequências idealizadas são transformações regenerativas que ultrapassam gerações. 

Esse ato revolucionário tem como base o resgate de saberes ancestrais, alinhados com a ciência e com os conhecimentos contemporâneos. E não é possível falar sobre esse tema, sem questionar também como nossas ações e nossa rotina impactam nosso corpo e o planeta. 

A grande maioria das mulheres ainda usam absorventes descartáveis. Os absorventes descartáveis além de causarem grande poluição no nosso Planeta Mãe, causam também inúmeros malefícios para a saúde íntima feminina. Cada mulher usa aproximadamente de 10 a 15 mil absorventes descartáveis durante sua vida fértil, isso representa um impacto muito grande na Mãe Terra, imagine o tamanho do lixo que uma única pessoa gera!

O perigo está fora e dentro

Essa poluição que causamos externamente também acontece dentro. Os absorventes descartáveis são feitos com matérias-primas altamente poluidoras para o ambiente íntimo feminino. Celulose, polietileno, propileno, adesivos termoplásticos, papel siliconado, polímero superabsorvente, agente controlador de odor, cloro, dioxina, rayon e algodão cheio de pesticidas, agrotóxicos e glifosato, uma substância altamente cancerígena. 

Os absorventes descartáveis, além de aumentarem o fluxo menstrual, também podem causar o crescimento anormal do abdômen e órgãos reprodutivos, crescimento celular anormal em todo o corpo, supressão do sistema imunológico e disfunção hormonal, além de promoverem a proliferação de fungos e bactérias. O tampão interno é uma opção ainda pior. Definitivamente, os absorventes descartáveis não são uma forma saudável de receber o sangue menstrual.

Ginecologia Natural e o respeito aos nossos ancestrais

Até agora falamos apenas das questões físicas, cientificamente comprovadas. Ainda tem a parte sutil e espiritual do processo. Conhecimentos nativos ancestrais reconhecem no sangue menstrual um grande poder. Considera-se que quando uma mulher sangra, ela está oferecendo a sua vida e seu próprio sangue em honra dos seus ancestrais e das futuras gerações. Então é reconhecido que este sangue é muito sagrado. 

Por isso, os absorventes de tecido trazem libertação e um contato mais profundo da mulher consigo mesma. Nos esquecemos de honrar nosso sangue e nos ensinaram que ele é sujo e nojento. Ao ter um contato mais íntimo com seu sangue, você pode se surpreender ao perceber que seu sangue é natural, faz parte de você e é muito sagrado. 

É o sangue da sua mãe e dos seus ancestrais que correm nas suas veias. Aprender a honrar esse sangue é aprender a honrar a vida e toda sua potência!

Você já trocou o absorvente de plástico pelo de tecido? Então confira aqui por que deveríamos todas nós plantar a nossa lua!

----------------------------------------------------------------------------

Crédito Imagens: Raquel Maia

Referências:
Como os absorventes tornaram-se tão insustentáveis - National Geographic Brasil
Dioxinas, um subproduto perigoso - Saúde Sem Dano
Five ways that plastics harm the environment - Forbes