Tratando a candidíase através da Ginecologia Natural

Por Gailesh

Apesar de a Ginecologia Natural ser um termo novo para muitas pessoas, essa ciência é um resgate de saberes. Mas mais que isso, é uma revolução e uma conquista da autonomia e do poder pessoal de cura de cada pessoa. Além de, claro, ser também um caminho de descolonização do corpo feminino. E, sim, questões ginecológicas como a candidíase, por exemplo, têm tratamento natural.

Como ciência, ela não tem limites, pois suas bases estão nos saberes ancestrais e contemporâneos que envolvem o cuidado através de medicinas e práticas naturais e que contribuem para a saúde da mulher e das pessoas que têm útero. 

Em meio a tudo isso, é muito importante atentarmos para o fato de que não existe na Ginecologia Natural um caminho pronto a ser trilhado, ou o remédio certo para cada sintoma, pois cada pessoa é única. Uma “doença” se torna a chave para uma jornada de cura a ser trilhada, observando não apenas as questões físicas, como também as emocionais, mentais e a história de vida de cada pessoa. 

Por isso, adentrar no campo da Ginecologia Natural, é adentrar no campo do autoconhecimento e do empoderamento pessoal. Vamos resgatar o poder sobre nosso corpo e revolucionar o patriarcado? 

Vamos juntas?

O que é candidíase e como tratá-la?

Quando falamos da candidíase, muitas pessoas buscam recursos que possam tratar diretamente o sintoma com pomadas ou comprimidos antifúngicos. Esses podem até camuflar a resolução do problema num primeiro momento, porém, se o que realmente gerou a candidíase não for tratado, o sintoma pode voltar com mais força, tornando-se uma situação recorrente.

A candidíase é causada pelo fungo do gênero Candida sp., principalmente Candida albicans, que está naturalmente presente na flora da boca, do intestino e da vagina. Ele apenas nos causa danos se houver o desequilíbrio da microbiota vaginal que, tendo sua acidez alterada, permite que o fungo se reproduza e se multiplique. Isso pode gerar uma infecção que vem acompanhada por incômodos, como:

  • fluxo vaginal anormal; 
  • coceira, ardor na vagina;
  • vermelhidão na vulva;
  • dor para urinar; 
  • dor na penetração sexual.

Tratando com a Ginecologia Natural

Alguns cuidados são extremamente necessários quando falamos em um tratamento para a candidíase tendo como base a Ginecologia Natural. O primeiro passo é olhar para as toxicidades que esse corpo sofre em todos os âmbitos. E, pode apostar, nos submetemos a inúmeros elementos tóxicos diariamente. Sejam esses frutos de uma alimentação desregrada, respirando um ar poluído, seja lidando com fortes emoções.

Aqui destaco algumas práticas que podem prejudicar o equilíbrio da flora vaginal e que poderiam ser excluídas da rotina de toda pessoa com útero:

  • uso de anticoncepcionais;
  • uso de tampões e absorventes descartáveis;
  • consumo de alimentos com agrotóxicos; 
  • uso excessivo de antibióticos ou corticóides;
  • uso de cosméticos e produtos de higiene químicos;
  • uso de vestuário íntimo sintético; 
  • estresse; 
  • relacionamentos abusivos. 

Acabe com a recorrência

É preciso um olhar atento para a alimentação, sendo assim, diminua o consumo de açúcares e farinhas, aumente o consumo de probióticos e de alimentos antifúngicos, como:

  • aloe vera;
  • orégano; 
  • maçã;
  • chá de dente-de-leão e unha-de-gato. 

É necessário também um cuidado íntimo local, que pode ser feito das seguintes maneiras:

  • tomar banho de assento de barbatimão, poejo e óleo essencial de Tea Tree (2 gotas); 
  • usar o Sabonete Íntimo Líquido Pachamama que, ao longo desses anos, vem curando muitas mulheres de candidíase recorrente;
  • deixar a vulva respirar, ficando sem calcinha sempre que possível;
  • tomar sol ajuda muito também. 

    E, pra finalizar, amor próprio é um grande passo! Liberte-se de relacionamentos abusivos que te atrapalham a ver e manifestar sua beleza e encontrar seu equilíbrio. Isso também é Ginecologia Natural e colocá-la em prática, com certeza, trará resultados positivos nos casos de candidíase e outras questões ginecológicas. Lembre-se, sua vagina pede amor e carinho!

    ----------------------------------------------------------------------------

    Crédito Imagem: Raquel Maia